Capa

FPCiclismo

"Invasão" de bikes nos fins de semana ressalta importância das ciclofaixas temporárias

Com a não permissão da prefeitura da ativação das ciclofaixas, ciclistas tiveram de enfrentar trânsito aberto

05.04.2021  |  701 visualizações

São Paulo (SP) – A suspensão das ciclofaixas temporárias de lazer na capital paulista e em municípios da Grande São Paulo teve seus primeiros grandes testes nos últimos dois finais de semana. Pela determinação de muitas prefeituras, as ciclofaixas não poderão ser ativadas a partir do dia 28 de março e até que termine a fase emergencial. Isso, entretanto, não intimidou os usuários, que foram aos milhares às ruas das cidades nos dias no início do decreto e neste domingo de Páscoa (4 de abril).

Considerado o principal meio de transporte frente à pandemia, tendo sido eleito pela OMS como o mais seguro por permitir a mobilidade e evitar aglomerações, a bike é a alternativa de muitos para escapar dos perigos do excesso de pessoas nos transporte público, bem como para a prática esportiva, importante para aumentar a imunidade e também para sair da rotina da pandemia. Diante deste cenário, a ida às ruas seria inevitável.

O grande volume de pessoas deixou claro também que a ativação das ciclofaixas mostra-se necessária, pois permite a organização do processo e evita inúmeros acidentes. Com a falta de um lugar especifico, corredores, caminhantes, carros (especialmente onde não há ciclovias) e bikes acabam dividindo espaço, aumentando o risco de contaminação e acidentes. Foi comum no domingo presenciar essa disputa.

A Federação Paulista de Ciclismo apoia a ativação das ciclofaixas. “O mundo inteiro indica a prática do ato de pedalar para qualquer situação. É muito importante a bicicleta, e a falta da ciclofaixa temporária causa maior tumulto, pois acaba a organização e coloca em risco as pessoas. Temos de pensar na segurança de todos e isso deve vir em primeiro lugar, sempre levando em conta que os protocolos de segurança, como usar máscara e evitar aglomeração, devam ser respeitados”, destaca José Claudio dos Santos, presidente da Federação Paulista de Ciclismo.

Outro ponto importante diz respeito ao impacto econômico que a proibição acarreta. Afinal, são cerca de 800 colaboradores (bandeirinhas, motorista e apoio ao trânsito) que, neste fim de semana, perderam a ajuda de custo. Neste momento delicado que o país atravessa, não contar com a única fonte de renda possível. Sem contar, que desafiar o trânsito para pedalar sem o apoio desses colaboradores é ainda mais arriscado.

“Queremos apenas que os governantes percebem a importância das ciclofaixas de lazer temporárias, pois são importantes em um momento complicado e que exige bastante compreensão de todos”, encerra o presidente da FPCiclismo.

 

Consultoria de Comunicação da FPCiclismo:

MBraga Comunicação – Marcelo Eduard Braga – Mtb 18324

Fone: (11) 98266-6086/E-mail: mbragacom@mbragacom.com.br

Leia também...
25.07.2021

Ciclista que defende as cores da Memorial/Santos/Fupes cruzou a linha de chegada em um sprint emocionante em Mogi das Cruzes

24.07.2021

Ciclista da ABEC Rio Claro foi o destaque do sábado em Mogi das Cruzes. Neste domingo, a programação começará às 8h.

23.07.2021

Disputa em Mogi das Cruzes reunirá mais de 500 ciclistas de diversas categorias

19.07.2021

Prova será realizada nos dias 24 e 25 de julho, em Mogi das Cruzes